Translate

domingo, 31 de março de 2013

COOKIES DE BAUNILHA COM GOTAS DE CHOCOLATE E AMÊNDOAS - MACIOS POR DENTRO E CROCANTES POR FORA


cookies macios por dentro e crocantes por fora




Como você gosta dos seus cookies? Como os cookies de supermercado, gordinhos, pequeninos e crocantes?
Ou prefere os cookies das redes fast-food – irregulares e finos, grandes, macios por dentro e crocantes por fora?Então, hoje eu trouxe as duas versões. Os cookies firmes e crocantes, eu já publiquei aqui, neste post. Mas, vamos falar de novo sobre eles para realçar as diferenças. É muito simples. A receita é a mesma. O que muda é o tempo de forno. Somente isso.





COOKIES FIRMES E CROCANTES - como os industrializados


Os cookies mais firmes e crocantes devem ser modelados num formato mais "gordinho", hehehe, e menores.

cookies crocantes e firmes


 e devem assar por mais tempo. Talvez 15 minutos, mas isso depende do forno para forno.Quando estiverem levemente corados, estão prontos. A receita e o modo de preparo dos cookies de supermercado estão aqui.


cookies crocantes e firmes





COOKIES MACIOS POR DENTRO E CROCANTES POR FORA 



Já os cookies macios, devem ser feitos de outra forma.
Para deixá-los assim, você deve achatar bem os bolinhos na palma da mão, deixando-os grandes e mais achatados. 


 cookies macios por dentro e crocantes por fora





como modelar os cookies macios


E estes cookies devem ficar no forno apenas o necessário para cozinharem.

A receita já tem no blog, bem aqui, só queria passar essa dica que é muito legal, pra você variar. De qualquer forma, estou repetindo a receita:


COOKIES DE BAUNILHA COM GOTAS DE CHOCOLATE

- 2 xícaras rasas de farinha de trigo (220g)
- 1 colher (chá) de fermento em pó
- ½ colher (chá) de bicarbonato
- 4 colheres (sopa)  de manteiga (130 g)
- extrato ou essência de baunilha a gosto
- 1 xícara de açúcar branco refinado (160 g) ( uso baunilhado)
- 1 ovo
- cerca de  150-200g de chocolate picado
- amêndoas, se for usar, (cerca de meia xícara de amêndoas sem pele, picadas)


Misture tudo. Por último, acrescente o chocolate. Se for usar amêndoas, acrescente junto ao chocolate.

Ponha o forno para pré-aquecer a 180ºC (360ºF) por uns 10 ou 15 minutos antes de levar o tabuleiro para o forno. O forno deve estar bem quente quando forem colocados os cookies para assar.




Estes cookies assam rapidamente, talvez 10 minutos, depende do seu forno.  Não posso dizer um tempo, pois depende de cada forno. Talvez 10 minutos. O que vale é abrir o forno, tirar um pedacinho com uma colher – ele sai facilmente – esperar esfriar e provar. Se não tiver mais aquele gosto de farinha crua, está pronto!
Eles ficam mais clarinhos mesmo, pois se ficarem corados, endurecem.

cookies macios por dentro e crocantes por fora





Se desejar cookies macios e mais corados, use metade do açúcar comum e metade do açúcar mascavo. Eles ficarão assim:

cookies macios por dentro e crocantes por fora - com gotas de chocolate e amêndoas picadas


De qualquer forma que você fizer os seus cookies, eles ficam saborosos e prefumados! Aqui adoramos cookies. De todo jeito! hehehe. E você como prefere?

domingo, 24 de março de 2013

LAGARTO (CORTE BOVINO) RECHEADO COM BATATAS - PRATOS DO DIA A DIA


(LAGARTO BOVINO - EYE ROUND - RONDE DE GÎTE)

Lagarto é um corte de carne bovina. 


 Assim é conhecido no Brasil inteiro (ou quase, porque esta terra é imensa), mas....como me lembrou o amigo português Paulo  do blog The Wild Kitchen, o nome é esquisito....para mim é tão natural que nunca tinha pensado nisso, ou seja, nunca tinha pensado naquele bichinho primitivo, aquele réptil, sabe???heheheh

Não sei como se chama em Portugal, ou em outras línguas. 
Descobri que em inglês chama-se EYE ROUND. Estou fazendo pesquisas em outras línguas, pois o google tradutor está associando o nome do prato ao réptil..............socorro...

Não é nada disso, gente, é um corte de carne bovina traseira, sem gordura e macia. É muito apreciado por aqui. Agora, que estou atentando para isso, o nome é esquisito, mesmo....hahahaha.


Estou pesquisando  o nome em outras línguas......hehehehe.... assim que descobrir eu posto aqui. .Não pensem que estou caçando répteis, não,viu? rsrsrsr


Então....hoje, resolvi trazer uma receita bem fácil, prática e gostosa para fazer no almoço da semana. E inaugurei uma nova tag no blog: Pratos do dia a dia – são pratos fáceis e rápidos. Pensei em ajudar quem não tem muita prática e nem paciência e quer fazer um trivial que seja gostoso e prático, sem aquela sujeirada de panelas em cima da pia pra lavar antes mesmo do almoço....imagine então, depois...kkkkkk









 Esta peça bovina é uma carne ótima para isso, e quase que se “prepara sozinha” hehehe, você só tem que ficar de olho no tempo do cozimento.

Prefiro preparar numa panela comum, sem pressão, porque acho que o sabor se distingue e a gente pode também controlar o ponto certo, cozido, mas ainda macio, sem ressecar demais, sabe, acho que sem pressão controla-se mais facilmente. Mas se você estiver com pressa, e sem paciência de pingar água toda hora na panela, o passo a passo da panela de pressão está aí em baixo também...porque ninguém é de ferro o tempo todo! Só às vezes....heheheh




LAGARTO BOVINO RECHEADO  COM BATATAS

uma peça de lagarto bovino (eye round,ronde de gîte, etc) pequena (1kg, mais ou menos)
3 tomates
1 colher de sopa de extrato de tomate
sal a gosto e 2 dentes de alho socados no pilão
1 cebola
1 calabresa
meio pimentão vermelho
3 batatas grandes, descascadas e cortadas ao meio.


Tempere a peça com o sal e o alho, faça um furo no centro e encaixe a lingüiça calabresa. Deixe apurar de um dia para o outro (ou, pelo menos 30 minutos) para absorver o tempero.
Ponha um pouco de óleo na panela de pressão, coloque a carne e frite  de um lado e do outro, rapidamente, só para dourar.

Cozinhe as batatas a parte, com um pouco de sal na água do cozimento.
Acrescente a cebola e o tomate, meio pimentão, tudo cortados em gomos, mexa rapidamente para dourar a cebola, acrescente o extrato de tomate e adicione a água até atingir metade da carne e cozinhe com a tampa meio fechada.

Vá acrescentando água sempre que secar, até  ficar macio, coisa de 2 horas. Ah, não quer fazer na panela comum?
Você pode usar a panela de pressão, nesse caso, cubra a carne com água até a metade e feche a panela. Após apitar, conte 30 min de cozimento.

Desligue a panela de pressão e espere sair TODO o vapor. Se tiver pressa, você pode erguer suavemente a válvula com um garfo, sem tirá-la do lugar e não é preciso erguer a válvula toda, um pouco é suficiente e espere sair o vapor todo).

 Quando  estiver cozido, retire-o da panela e corte em fatias. Reserve num refratário.

Coloque as batatas já cozidas por 2 minutinhos na panela onde cozinhou a carne.

Arrume-as com as fatias de carne.  Acrescente um pouco do caldo onde a carne cozinhou e leve tudo à mesa, quentinho e apetitoso!





Sirva com legumes cozidos a seu gosto! E Se tiver paciência de fazer, uma saladinha também acompanha bem o prato, mas....com os legumes,  já terá um prato colorido e saudável!





 Bom apetite!

segunda-feira, 18 de março de 2013

CUSCUZ DE TAPIOCA




O nome cuscuz  sugere aquele cuscuz feito com flocos de milho (ou fubá) com água e sal cozido em banho-maria. Ou o cuscuz paulista. Mas não é nada disso.... e de milho ele não tem nada, hehehe..

Este é o cuscuz de tapioca, um  delicioso doce, tradicional do nordeste, e que leva apenas tapioca, açúcar, coco e leite. A tapioca encontra-se no supermercado, na seção onde ficam os polvilhos, canjica, etc. Não é farinha, é em grãos pequeninos e irregulares. 

Existem milhares de receitas e mil modos de preparar o cuscuz de tapioca. 

Este modo de preparo é o mais fácil que existe e deixa o grão macio por igual, evitando que a gente encontre grãos duros no meio do doce.


Em tempo: atendendo à duvida de uma leitora, posto aqui uma foto da tapioca - ela é como uma farinha, mas os grãos são secos e muito duros. Tão duros quanto o sagu ( que é a mesma tapioca em forma de bolinhas). É comercializada por este nome mesmo - TAPIOCA, somente. Não confundir com massa de tapioca (que é o polvilho molhado para fazer a "tapioca" ou beiju, aquela panquequinha com recheios doces e salgados, tão famosa  no nordeste).










CUSCUZ DE TAPIOCA 

1 xícara de tapioca
4 xícaras de leite
½ xícara de açúcar
1 xícara de coco ralado (nem grosso nem fino)
um pouco de coco ralado grosso para enfeitar
leite condensado a gosto


Coloque numa panela o leite e a tapioca. Leve a fogo brando e mexa suavemente até quase ferver. Adicione o coco ralado e o açúcar, desligue o fogo  e passe o doce para um refratário. Deixe descansar mexendo de vez em quando. Após esfriar, cubra com o coco ralado grosso para enfeitar e coloque na geladeira. Depois de 6 horas, o doce está pronto para servir. Sirva acompanhado de leite condensado a gosto.

OPCIONAL: você pode adoçá-lo com o leite condensado também, não sendo necessário o açúcar. Dose a quantidade a seu gosto.



                                       Observe que o doce é formado de pequenos grãos









 O doce servido com leite condensado

Que tal experimentar fazer essa delícia e variar a sobremesa?



































segunda-feira, 11 de março de 2013

BOLO DE POLVILHO E QUEIJO






Esta receita é antiga aqui em casa, encontrei-a no blog do Marcelo Katsuki há coisa de uns 5 anos atrás, ou mais. (Se alguém quiser visitar, dificilmente achará a receita, pois em consulta ao blog, não a encontrei mais). Sei que sempre a faço e aqui em casa faz bastante sucesso.






É um bolo salgado e fiz adaptações à receita original. Em vez de óleo, prefiro manteiga, que confere um sabor especial.


BOLO DE POLVILHO E QUEIJO

Ingredientes:
1 xícara bem cheia de polvilho doce
3 ovos
3 colheres de sopa de água
1/2 xícara de manteiga derretida
sal a gosto
200 g de queijo minas meia cura ralado
Forno pré-aquecido (200ºC/400ºF)
Forma redonda com buraco no meio, untada e enfarinhada

PREPARO:

Coloque no copo do liquidificador os ingredientes na seguinte ordem, e vá batendo a cada nova adição:  ovos, água, manteiga, queijo, sal e polvilho aos poucos.Coloque na forma e leve ao forno a 200º C(400º F) até dourar.





Esse bolo cresce tão bonito, fica com uma aparência deliciosa, crocante, com a massa no topo quebradiça, lembrando uma massa folhada... porém, depois que sai do forno vai murchando, portanto, não se espante quando acontecer isso, é normal.






Então, aceita uma fatia?




quarta-feira, 6 de março de 2013

ARROZ DOCE, A INFÂNCIA E LEMBRANÇAS AO PÉ DO FOGÃO




Arroz doce, para mim, é a cara da infância. 
Porque era um doce que minha mãe fazia muito quando éramos crianças, juntamente com  pudins, pavês, mousse, canjica, bolos de todo tipo e bolinhos de chuva!!
Lembro como se fosse hoje, minha mãe acrescentando o leite e o açúcar ao arroz,
e o aroma invadindo a cozinha.
Lembro dela confeitando bolos para algum dia especial, o cheiro envolvente da calda cozinhando no fogão, deixando eu colocar o glacê no bolo e espalhar com a espátula, segurar o saco de confeitar e tentar criar aqueles desenhos lindos no bolo.
Lembro dos pedaços de caramelo que eu ganhava quando ela o fazia para caramelar um pudim.
Gostava de ver os gorduchos bolinhos de chuva revirando na gordura e corando até ficarem no ponto e serem retirados da frigideira, escorridos e em seguida passados no açúcar com canela. 
Tantas e tantas lembranças tenho ao pé do fogão
 e basta comer um doce desses, que elas voltam, sempre presentes. E engraçado como são as mães - se comento com ela que lembro disso ou daquilo,ela faz uma cara admirada, parece que volta no passado e sorri, surpresa: que engraçado, você lembra disso??

Arroz doce era como mágica. Aquele mesmo arroz, salgado que vinha  na refeição do almoço, transformava-se, e pelas mãos "magiquíssimas" da minha mãe, virava um doce saboroso, macio e perfumado.







ARROZ DOCE

Ingredientes:

leite – cerca de 4 xícaras, de preferência integral
erva-doce –  1 colher de chá (opcional)
raspas de limão a gosto – (rale somente a parte da casca, evitando ralar a parte branca, pois esta deixa um sabor amargo)
canela


Preparo:

Leve uma panela ao fogo com 2 xícaras de água e uma colher de chá de sementes de erva-doce, se for usar (use um saquinho feito com um pano fino como morim ou gaze)  até ferver. Após a fervura, retire a erva-doce.
Acrescente 1 xícara de arroz, já devidamente lavado.
Deixe cozinhar, em fogo baixo até quase secar. ( Não deixe secar!)
Adicione cerca de 3 xícaras de leite aos poucos, até o arroz cozinhar. Evite mexer.
Quando estiver quase cozido, acrescente a * última xícara de leite, o açúcar e as raspas de limão.
Mexa suavemente, e deixe cozinhar mais 1 ou 2 minutos.
Retire da panela e passe para a vasilha desejada. Polvilhe canela (opcional)
Espere esfriar e leve à geladeira.


* Outra variação*:  você pode substituir a última xícara de leite com o açúcar
por ¾ de uma lata de leite condensado. Ou a lata inteira, se quiser, mas cuidado para não ficar muito doce, tempere aos poucos, prove antes para acertar no ponto que você gosta.
E bom apetite!







sexta-feira, 1 de março de 2013

CURAU




 È tempo de milho e, a exemplo da horta, minha irmã plantou um pequeno milharal no quintal – então estamos satisfeitas com a primeira colheita. 


É um milho cultivado sem agrotóxicos, sem super adubos especiais, porém muito saboroso




Ainda assim as carreiras de grãos ficaram quase perfeitas, resultando num milho bonito



O milho não cresceu tanto, pois não choveu na época certa, mas as sacas que recebi essa semana já renderam e vão render muitas receitas. São tantas que tive que congelar um pouco.

Então, hoje, que tal um curau?
O curau é um doce típico feito com leite e milho, uma espécie de mingau consistente, servido quente ou frio, polvilhado com canela. É típico das nossas queridas Festas Juninas.


 CURAU

4 xícaras de milho verde
3 xícaras de leite
Açúcar a gosto ( usei ¾ de xícara de açúcar branco)




Raspe os grãos das espigas de milho, apoiando a espiga num recipiente plástico ou numa bacia larga e passando uma faca rente à espiga.

Bata metade dos grãos no liquidificador com metade do leite.
Em seguida peneire bem apertando com as costas de uma colher e  por fim, esprema o bagaço com as mãos para retirar todo o suco do milho.
Retorne o bagaço que sobrou na peneira ao liquidificador, acrescente o restante do milho e do leite. Bata bem.
Em seguida, peneire tudo desta vez, apertando com a colher e, por fim, amassando com as mãos (ultra limpas, é claro, hehehe) para restar apenas o bagaço, que será descartado.

Em seguida despeje numa panela, adicione o açúcar, e mexa sem parar até engrossar e desgrudar do fundo da panela. 
Desligue a panela, passe o curau para uma vasilha ou pequenas vasilhas individuais  e espere esfriar bem. 
Desenforme se desejar. Polvilhe com canela e leve à geladeira.



O curau sai assim da panela, cremoso e ainda caindo da colher. Depois que esfria fica consistente.

Assim que esfriar, desenforme. Passe uma faca suavemente nas beiradas, se necessário  e balance com cuidado. Coloque um prato sobre a vasilha, vire ao contrário e balance levemente. Quando sentir que o doce caiu, retire  a vasilha sempre suavemente.




E esta delícia ficará assim!




Não dá vontade de dar uma dentada?



DICA: O curau é um doce de partir, ficando bem consistente. Se desejar mais cremoso, acrescente uma xícara de leite enquanto o doce estiver engrossando na panela, mas lembre-se que, dependendo da consistência, ele não desenforma. 


 Adorei o desenho que a canela faz no doce. Não parece o mapa do Brasil? heheh, ou talvez da América do Sul...










Pronto, está pronta esta delícia e você pode comer morno, também, é extremamente confortante, para mim é o que chamamos comfort food! E você, o que acha?Além de tudo é prático, fácil e gostoso! Experimente fazer!