Translate

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Macarrão com Molho de Lingüiça


Uma receita que jamais pensei que ficaria tão boa!  Usei várias porções pequenas de linguiças de vários tipos, porções que não dariam para uma refeição, se feitas isoladamente. 
Inspirada na receita especialíssima da Chef Catarina Melo.

para 4 pessoas:
2 colheres de sopa de azeite
400 a 500 g de  lingüiça sem a pele, cortada em fatias (retire as “bolinhas” de gordura)
400 ml de molho de tomate pronto ou molho de tomate caseiro
300 g de macarrão (parafuso, penne, conchiglioni, etc. Eu usei o furadinho, que é enormeee... da ColaVita)
Frite a lingüiça no azeite, mexendo um pouco para dourar bem.
Acrescente o molho de tomate aquecido.
Cozinhe a massa conforme instruções do fabricante e assim que escorrer a água, acrescente o molho e leve à mesa!
Este macarrão é sucesso total aqui em casa.
Mas faça com o molho caseiro. O sabor, a aparência....hummm....eu diria que o sucesso dessa receita está nele. Experimente!

Essas salsichas que aí aparecem foram exigência do meu filho mais velho...porque tinha que tinha que comer salsicha nesse dia... então, atendendo a pedidos especiais, tasquei algumas salsichas no meio... haha, porque aqui, na cozinha experimental da mama,  atendemos pedidos especiais...



Molho de Tomate Caseiro:

2 colheres de sopa de azeite
1 cebola pequena picada
1 dente de alho picado
10 tomates maduros, sem pele nem semente
sal e pimenta a gosto
manjericão e alecrim frescos, se desejar, tomilho ( 1 colher de sopa de cada)

bata os tomates no liquidificador.
Frite a cebola no azeite, acrescente o alho e por último, os tomates. Deixe cozinhar por uns 40 minutos, panela semitampada. Acerte o sal, tempere com uma pitada de açúcar. Deixe apurar o  molho. Adicione as folhinhas de manjericão, e se desejar, alecrim. Reserve.


sábado, 27 de agosto de 2011

Risoto de Pera e Gorgonzola



É um clássico! Segue aqui a minha versão! Se quiser mais dicas sobre risoto, veja neste post

Para 4 pessoas

2 xícaras de folhas de espinafre fresco, higienizado, ou o quanto preferir.
1 talo de alho-poró médio, fatiado
50 g de manteiga
400 g de arroz arbóreo
200 ml de vinho branco seco
1 l de caldo de legumes ou o quanto baste
1 pera firme, porém madura
200 g de gorgonzola, picado, quase esfarelado
queijo parmesão ralado na hora
sal a gosto

Lave a pera, corte ao meio no sentido longitudinal. Depois, corte cada parte ao meio e fatie cada parte.
Ponha metade da manteiga numa  panela funda e quando amolecer, frite o alho-poró até ficar transparente.
Acrescente o arroz e frite, cuidando para não queimar.
Adicione o vinho e espere evaporar, reduzindo o fogo.
Adicione o caldo aos poucos, mantenha a panela semitampada e mexa o arroz de vez em quando.
Qdo estiver quase cozido, adicione a pera. Cozinhe mais 1 ou 2 min. Adicione a manteiga e o queijo gorgonzola, mexendo delicadamente e tampe a panela, cozinhando por mais 1 minuto.
Sirva em seguida. Leve o parmesão à mesa para ser ralado no prato. Fica mais saboroso.
O risoto é um prato único mas nada impede de se servi-lo como acompanhamento. Este aqui eu servi com medalhão de filé com crosta de castanha de caju. Ficou ótimo!




quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Risoto de Presunto e Espinafre


Este risoto é delicioso! Colorido, já chama a atenção a beleza do prato.
Inspirada  na receita do Livro “Culinária para Principiantes” de Kate Fryer, Ed. Manole Ltda., livro este que tem me ajudado muitíssimo: explicações bem detalhadas e receitas  apetitosas.

Para uma aprendiz feito eu, esse livro é tudo!!
Vamos ao risoto. Fiz algumas mudanças,  p.ex, acrescentei vinho:
Serve 4 pessoas

2 xícaras de folhas de espinafre fresco, higienizado, ou o quanto preferir.
1 cebola picada
50 g de manteiga
400 g de arroz arbóreo
150 ml de vinho branco seco
1 l de caldo de legumes ou o quanto baste
200 g de presunto
100 g de queijo parmesão ralado na hora
sal a gosto

Retire os cabinhos do espinafre e reserve.
Aqueça metade da manteiga e refogue a cebola até ficar transparente.
Acrescente o arroz e frite, sem deixar queimar.
Adicione o vinho, reduza a chama, e deixe evaporar.
Adicione o caldo aos poucos, tampe a panela parcialmente e mexa o arroz de vez em quando.
Qdo estiver quase cozido, adicione o espinafre e o presunto. Aguarde 1 ou 2 min. Desligue o fogo e adicione  o resto da manteiga e o parmesão, mexendo delicadamente e tampe a panela, cozinhando por mais 1 minuto.
Sirva imediatamente!


DICAS:
O arroz deve ser acrescido de caldo aos poucos, até o cozimento final. Sua consistência deve ser cremosa.
A quantidade de caldo pode variar, para mais ou para menos, fique atenta e tenha sempre mais caldo à disposição.
Você pode usar presunto de parma ou presunto cru, atentando para cozinhá-lo bem, ou seja, uns 2 minutos.
O risoto, em regra geral, é uma refeição completa e dispensa acompanhamentos. Mas....ele também pode ser um excelente acompanhamento - esse risoto cai muito bem com um franguinho ao molho, bem suave, e salada de folhas.



segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Caçarola de Carne Guisada com Feijão Branco



Nunca vi uma receita de lagarto bovino em pedaços. Ele sempre é cozido ou assado inteiro, recheado ou não, para depois ser fatiado.
Mas eu queria este corte de carne guisado. Aquele modo tradicional de se cozinhar a carne em pedaços ou cubos – eu, particularmente, não sou fã dos cubos – com outros ingredientes, como legumes, tudo envolto num molho suculento e saboroso.
Então, um belo dia bolei essa receita, do jeitinho que eu imaginava! E ficou extremamente saborosooo!!
Ingredientes:
500 g de uma peça de carne bovina traseira chamada "lagarto"
200g  (1 xícara) de feijão branco
1 chuchu partido em 4
1 tomate em pedaços grandes
1 cebola picada,1 talo de aipo cortado em rodelas
3 dentes de alho 
40 g de manteiga
colorau, cominho –  a gosto ( tente uma colher de chá de cada ( aquela pequena!...)
alecrim – não pode faltar!
azeite, vinagre, sal a gosto
1 l de caldo de carne caseiro ou água
cebolinha picada
½ lata de tomate pelado



Corte a carne em pedaços. Eu fiz um grande filé,  cortando como quem descasca uma laranja, até atingir o miolo. Depois, cortei em tiras no sentido do comprimento, e essas tiras em pedaços. Penso que fica melhor do que fatiar e cortar as fatias em cubos, fica muito quadrado. Dessa forma os pedaços ficam irregulares e mais bonitos.



Deixe o feijão branco de molho de véspera, na geladeira. 
Tempere também a carne com antecedência – costumo temperá-la na noite anterior. Misture o sal, 2 dentes de alho amassado, colorau, cominho, meio raminho de alecrim, azeite e uma colher de vinagre. Tempere a carne com essa mistura e deixe marinar na geladeira. Ou, por pelo menos, duas horas.

Doure a carne na manteiga. Não ponha toda a carne de uma vez, senão enche de caldo e cozinha. Coloque aos poucos, o objetivo é dar aquela dourada...
Acrescente cebola picada, tomate, chuchu e o caldo de carne até cobrir e ficar “um dedo a mais” por sobre a carne. Acerte o sal.

Enquanto isso, cozinhe o feijão branco  à parte com 2 xícaras de água (despreze a água do molho de véspera). Não é preciso panela de pressão. Cozinhe com a panela semi tampada e se necessário, acrescente mais água. Depois de cozido o feijão, reserve.

Cozinhe a carne na panela de pressão por 15 min, após apitar. Espere o vapor sair. A carne deve ficar macia. Caso contrário, volte para a pressão por mais alguns minutos. Se necessário, acrescente mais caldo.

Numa caçarola grande, derreta a manteiga,e acrescente o alho poró, até ficar macio, sem deixar dourar. Adicione sal a gosto e um dente de alho picado, para refogar, sem queimar. Acrescente o feijão branco e mexa suavemente.Pique o tomate pelado e junte ao refogado. Refogue mais um minuto.
Acrescente, aos poucos, o guisado na caçarola e deixe borbulhar um pouquinho. Desligue o fogo e acrescente cebolinha picada bem fininho.
Aprecie essa delícia! Bom apetite.



domingo, 21 de agosto de 2011

Cupcakes de Milho


Lindos, não? Pena que não sei ainda confeitar, mas já providenciei um saco de confeiteiro! Os próximos vão ficar no esquema! he he


Ultimamente ando interessadíssima em cupcakes! Só não me apetece muito aquela montanha de chantily em cima de alguns bolinhos. Fora isso, eles são irresistíveis! Estou pensando, na minha próxima aquisição culinária, de comprar um livro de cupcakes.
Alguém sugere algum?


Exatamente porque não gosto daquela montanha de chantily em cima do bichinho é que amei esta receita de cupcake.

A receita foi retirada do site da Uol – Receitas e Restaurantes:
http://receitas.uol.com.br/        e seu nome original é cupcake de pamonha. O link é este: http://receitas.uol.com.br/receitas/2011/05/31/cupcake-de-pamonha.jhtm

 Não vou postar a receita porque basta acessar o link acima. Vou apenas comentar
algumas  coisinhas:
- você vai precisar de:
- forminhas de papel antiaderentes para cupcake
- uma assadeira para cupcakes ou muffins – não será necessário untá-las.

- não gosto muito dessas formas antiaderentes, elas costumam queimar as receitas – tortas e bolos feitos nela sempre queimam embaixo. Portanto, uso com cautela – se for usá-la, coloque-a dentro de outra assadeira de alumínio. Como aqui:



-  eu usei forminhas de cupcakes, que parecem ser maiores do que as usadas na receita original. Portanto, fiz  2 receitas, e renderam 12 cupcakes! Enquanto na original, a receita dobrada renderia 16 cupcakes.
- USEI MILHO VERDE NATURAL –  debulhei uma espiga e meia, das grandes, e apliquei na receita.
-  NÂO USEI BATEDEIRA - outra coisinha importantíssima! Sem batedeira também dá certo, e super certo, pode confiar! Os bolinhos ficam igualmente fofos e deliciosos.
Bati tudo na mão, é rápido e fácil. É que nem sempre tenho paciência com a tal batedeira, que tem que montar, depois lavar as pás ( oh, coisa chata é lavar aquilo....hi hi).
Só uso batedeira se estiver com pressa ou a receita for mais complicada.
E outra - O prazer de bater a massa sem um intermediário ( entenda-se aqui o trambolho barulhento da batedeira) é gratificante! (será que sou pirada?!....rs rs).
As fotos estão terríveis....mas postei, fazer o quê...rs rs...só tenho estas.
E quando não tem tu vai tu mesmo!
Delicie-se! 


sábado, 20 de agosto de 2011

Compota de Maçã Gelatinada



Esta  receitinha deu trabalho...mas valeu a pena. Apesar do açúcar, compotas são doces que não levam gorduras, e são mais saudáveis. Além do mais, fiquei surpresa com o sabor!
Vi várias receitas na Internet e de amigas. Eu a fiz por três vezes, cada qual de uma forma.  Nenhuma ficou exatamente como eu queria.
Acabei  tendo que fazer uma mistura,  pegando um pouco de cada receita, usando a intuição para chegar ao resultado desejado. Em algumas receitas,  o pó da gelatina é misturado com a água, em outras, você coloca  o pó da gelatina em cima das maçãs, assim:


e dá certo, elas ficam bem vermelhas. Se colocarmos a gelatina já misturada com a água, as maçãs não ficam muito vermelhas, sendo necessário adicionar corante artificial. Como prefiro sem corante, optei por essa versão.
A disparidade entre quantidade de  maçãs e gelatina também é grande. Optei pelo uso  de  2 caixinhas de gelatina para 6 maçãs -  é o ideal. Lá  vai a receitinha, totalmente adaptada, hehe, de todas as que vi até agora:
Ingredientes:
6 maçãs tipo fuji, descascadas e com os cabinhos
2 ¾ de xícaras de água
1 xícara de açúcar
2 caixas de gelatina sabor framboesa ( ou outra gelatina na cor vermelha)
cravos da índia ou canela a gosto ( usei somente os cravos da índia – 12)

-  Coloque numa panela de pressão a água com o açúcar.
-  Pegue as maçãs, uma a uma, e por sobre a panela, polvilhe a gelatina por toda a sua superfície. Faça isso sobre a panela, pois o pó da gelatina que for caindo, cai na própria panela. Acomode maçã por maçã no interior da panela até terminar de polvilhar todas.
-  Acrescente os cravinhos pra quem é de cravinho.....ou  a canela pra quem é de canela....ou os dois...rs.
-  Feche a panela de pressão e aguarde apitar. Abaixe o fogo e cozinhe por 3 minutos. -- Desligue, deixe sair todo o vapor. Há quem espere a panela esfriar, mas eu abro assim que o vapor sai, pois a maçã continua cozinhando e pode passar do ponto.
-  Use uma maçã teste..haha...parta a maçã teste no meio e se estiver branca no miolo, volte para a pressão por mais um minuto. Quando estiverem frias, leve para gelar. Este doce deve ser conservado em geladeira.
Não deixe de fazer esse delicioso doce! Você vai se surpreender com o sabor!




terça-feira, 16 de agosto de 2011

Ossobuco com Cardamomo




Rendimento: 6 porções
Ingredientes:
1 kg de ossobuco bovino
farinha de trigo para empanar
3  tomates sem pele e sem semente
1 cebola picada
2 dentes de alho picados
½ xícara de chá de azeite de oliva
1 alho-poró fatiado
cardamomo – 3 bagas
sal a gosto
2 xícaras de chá de caldo de carne ( de preferência o caseiro) ou quanto baste
1 xícara de chá (240 ml) de vinho branco seco



Com uma faca faça cortes na pele externa da carne (aquela capa branca) em vários pontos, para não estourar enquanto cozinha. Você pode usar também uma tesoura culinária devidamente afiada.
Tempere com sal a gosto. Deixe em repouso por, no mínimo 30 min.
 Passe os pedaços de carne na farinha de trigo dos dois lados.
Doure bem o ossobuco em uma panela funda com metade do azeite e reserve.
Na mesma panela que dourou o osso buco,  acrescente o restante do azeite, a cebola e mexa, sem parar ( para não queimar) até ficar transparente.
 Adicione o alho e mexa, sem deixar dourar. Em seguida, o tomate e o vinho.
Deixe cozinhar um pouco para evaporar o vinho, acrescente o caldo de carne e misture bem. Adicione os ossobucos.
Abra as bagas de cardamomo  e retire os grãos marrons ou acinzentados e use na receita. Ou, se desejar, coloque com casca e tudo, mesmo (eu faço assim).
Deixe cozinhar, com a panela semi-tampada. Se necessário acrescente mais caldo durante o cozimento.
 Cozinhe em fogo baixo por uma hora e meia ou mais, até a carne ficar macia.
Acerte o sal,  Sirva com um aveludado purê de batatas....hummmm!



DICAS:
Se desejar, use panela de pressão. Atente para a quantidade de caldo de carne, pois, com certeza, será menor. Tampe a panela, vedando bem  e aguarde .O cozimento conta a partir do momento em que a panela apita. Deve-se abaixar o fogo e só então começar a contar 30 min. Após esse tempo, desligue o fogo e espere até sair todo o vapor. O ideal seria esperar mais uns 15 min pois o cozimento continua sob a pressão, mesmo com o fogo desligado.Só então, abra a panela. Se a carne ainda estiver dura, volte para a panela por mais uns 10 ou 15 min.
 LEMBRE-SE: para usar panelas de pressão é necessário seguir algumas regrinhas básicas.....como todo mundo sabe, se não forem manuseadas corretamente, elas explodemmm.....
então, embora use panelas de pressão há anos, resolvi buscar informações mais detalhadas sobre elas para postar aqui no blog:
Se quiser dicas de como usar panela de pressão, entre  no site magazine luiza, com orientações e explicações muito boas fornecidas pelo Corpo de Bombeiros:
CARDAMOMO – agora vamos falar dessa delícia de sementinha, uma especiaria da Índia que conquistou meu paladar....não deixe de experimentar, ou na carne, ou nos doces. Geralmente usa-se em carnes de porco e sopas....a idéia de colocá-la no ossobuco foi  minha e adorei...experimente. Se não gostar na carne, pois tem um sabor adocicado, teste em receitas doces. É divino!
Se quiser saber mais sobre cardamomo, entre aqui:

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Caldo de Legumes Caseiro






Isso de aprender a fazer caldo de legumes, frango ou carne em casa foi tudo de bom pra mim. Nunca gostei muito dos caldos industrializados e afins.
Nem da famigerada receita com creme de cebola de pacotinho. Não que eu não use de certas artificialidades, essências sintéticas para bolos, gelatinas etc, uso, sim. Mas caldos de tablete, sopas e queijos de pacotinhos, salgadinhos de “isopor”, preparados de alho e sal....não dá. Qdo a receita pedia caldo, eu usava água mesmo.
Até descobrir que eu mesma podia fazê-los. É muito simples, e você pode fazer a qq hora...eu gosto de fazer de manhã cedo, em pequena quantidade, para usar no prato do dia. Mas pode-se fazer um litro, ou mais, e congelar.

-  Junte numa panela funda alguns legumes, de preferência, frescos, como abobrinha, chuchu, cenoura, tomate. Aproveite sobras da geladeira, talos e folhas de sua preferência.
- Acrescente cebola, alho poró ou salsão.
- Adicione temperos, também frescos: cebolinha, tomilho, salsa ou coentro, endro. Os chefs usam o bouquet-garni: um apanhado de salsa, tomilho, uma folha de louro, e um talo de salsão ou alho-poró - tudo amarrado com um barbante culinário.
- Cubra com água, aproximadamente um litro para cada xícara. Deixe ferver e reduza a chama, cozinhando lentamente, com a panela semi-tampada. Acrescente mais água se necessário, ou mais ingredientes, se você achar que o caldo está muito “aguado”.
O tempo de cozimento depende de cada fogão, e da quantidade de ingredientes e de caldo que se está fazendo.Depois de cozido, coe o caldo com uma peneira, sem pressionar os legumes. Empregue na sua receita ou congele.

Dicas Importantes:

- Não empregue batata ou tubérculos –  eles contém amido, o que deixará o caldo turvo, prejudicando, inclusive, no resultado final da sua receita.
- Também não devem ser usados legumes de sabor forte, como repolho ou talos de agrião, etc. 
- Cuidado com o excesso de temperos -  O resultado final deve ser aromático, mas  suave. Gosto muito de usar endro fresco, mas com moderação. Pedaços de um bulbo de erva-doce, também deixa um aroma muito agradável.
- Use sempre ervas frescas.
- Aproveite os legumes do caldo e bata no  liquidificador com um pouco de leite. Faça um refogadinho de cebola e alho e acrescente os legumes batidos. Está pronta uma sopa.
Este caldo abaixo, fiz para congelar, portanto empreguei uma quantidade boa de legumes: 



Além do caldo, resultou num ótimo creme de legumes - mas acrescentei batata e um pedaço de peito de frango cozidos à parte e batidos no liquidificador juntos.

O caldo que faço, gosto de temperar com um pouco de dill, cebolinha, coentro, alho-poró, e uso legumes variados, o que tiver em casa, mas sempre coloco pedaços de cenoura, chuchu ou abobrinha. 




Seu caldo poderá ficar mais escuro ou mais claro – depende dos ingredientes escolhidos. Mas, atente para que não fique claro demais, ou seja, aguado.

O legal é sempre seguir a intuição – guie-se pelo aroma e sabor,o que depende da boa combinação dos ingredientes. Experimente seu caldo, saboreie, imagine-o agregado a suas receitas. 
Faça o caldo de legumes e nunca mais vc vai querer saber de outro...hehe.



quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Bolo fofo de limão siciliano



Este bolo tem um aroma e sabor bastante suave, pois, ao contrário de outros bolos, não usei o suco do limão. Ele é feito apenas com as raspas de um limão siciliano.
ADORO todo e qualquer limão:  mas, para esse bolo, não use outro limão, e vc verá a diferença: o limão siciliano é menos ácido e seu sabor é bem mais suave do que os outros. Razão pela qual este bolo tem um sabor inconfundível, a delicadeza do limão siciliano e o toque de fundo da baunilha natural.

Ingredientes:
- 200 g de manteiga ( ou margarina, se desejar)
- 1 e ½  xícara de açúcar
- 4 gemas pequenas ou 3 grandes
- raspas de um limão siciliano
- 2 xícaras de farinha de trigo
- 1 colher de sopa de fermento químico em pó
- 4 claras batidas, um pouco antes de chegar em ponto neve
- 1 xícara de leite
- meia fava de baunilha

Abra a fava de baunilha no sentido longitudinal e retire os grãozinhos com a ponta da faca. Misture os grãozinhos com o leite e ferva (não deixe levantar a fervura). Desligue o fogo e espere o leite baunilhado esfriar (basta colocar numa vasilha com água e em poucos instantes o leite esfriará).
Enquanto isso,  peneire a farinha de trigo com o fermento ( se estiver com pressa, apenas misture, dá certo, tbm...hihi)
Misture bem a manteiga e o açúcar, só então acrescente as gemas. Bata até a massa ficar macia e clara. Acrescente as raspas de um limão siciliano.
Acrescente, aos poucos, a farinha e o fermento peneirados, alternando com a xícara de leite e sem parar de bater. A massa deve ficar clara e delicada, quase um creme. Sua consistência deve ser firme e nunca aguada.
Por último, bata as claras e  acrescente delicadamente.
 Unte e enfarinhe uma forma retangular ( eu usei uma de 20X25 cm) e leve ao forno pré-aquecido ( cinco minutos antes, no meu forno, é suficiente).
Ao colocar o bolo no forno, mantenha o fogo alto por 5 min, depois, mude para médio. Leva, 
aproximadamente, 30 m. Mas este tempo varia de um forno para outro.

 Fique atenta assim que o bolo crescer e corar ( por volta de 20 a 25 m). Antes de tirar o bolo do forno, espete com um garfo: se sair limpo, está pronto. Tire do forno imediatamente e deixe esfriar num lugar onde 
não haja corrente de ar.

DICAS:
Ao colocar o bolo no forno, não abra a porta enquanto ele não começar a corar, ou o bolo murcha e fica solado.
Cada forno é de um jeito, então, temos que adequar  as receitas ao nosso forno. O tempo sempre varia, um pouco.
A casca da baunilha, sempre coloco no pote de açúcar refinado ( que só uso para fazer bolos). Esse pote deve ser hermético e sempre bem fechado. A casca pode ficar lá por uma semana e seu açúcar ficará deliciosamente aromatizado. Serve para fazer bolos, cremes, etc.



Engraçado, como o limão, poeticamente e até no dito popular é associado a fatos e coisas negativas: “fulano é azedo como um limão”, “ se a vida te deu um limão ( ou seja, vida azeda...) faça uma limonada”...e por aí vai.

Mas teve quem fizesse boas associações – e tem uma que gosto bastante: é do compositor Djavan: quem se recorda da bela canção: “Faltando um Pedaço”?
Deixo um pedacinho dela para você recordar....e ver o outro lado da moeda....quer dizer, o outro lado do limão.....hehe!


“O amor é como um raio galopando em desafio

Abre fendas cobre vales, revolta as águas dos rios
Quem tentar seguir seu rastro se perderá no caminho
Na pureza de um limão ou na solidão do espinho”



terça-feira, 9 de agosto de 2011

Fritada colorida



Esta receita serve como uma rápida refeição, ou um lanche mais substancial. Eu gosto de fazê-la à noite, qdo não quero jantar.

serve 1 pessoa

Ingredientes:

- 2 ovos
- tomate-cereja  a gosto
- 2 colheres (sopa) de cream cheese
- alho-poró a gosto
- fatias rasgadas de presunto
- azeite ou manteiga, se preferir – o suficiente  para untar
- uma omeleteira, ou uma frigideira de borda alta, anti-aderente

- Quebre os ovos em um prato e mexa com um garfo. Não é preciso bater em excesso.
- Coloque o azeite ( ou manteiga) na frigideira e ligue a chama.
- Refogue o alho-poró até ficar transparente, sem deixar queimar.

- Acrescente os tomates-cereja cortados ao meio e deixe refogar por 1 minuto – se necessário, pingue algumas gotas d’água para não queimar.
- Acrescente o ovo batido, ponha sal a gosto e cubra com outra frigideira, por alguns instantes.
- Quando a fritada estiver perdendo a cor transparente do ovo, acrescente o cream-cheese às colheradas. Tampe de novo.
- A fritada estará ao ponto, quando estiver cozida, mas ainda macia no centro.
- Retire com cuidado, com o auxílio de uma escumadeira, coloque no prato e sirva imediatamente.

Bom apetite!

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Risoto de Bacalhau





Este risoto de bacalhau, é uma receita fácil, delicada e sofisticada ao mesmo tempo. Substancial e completa e, ao mesmo tempo, leve. Fiz uma adaptação da receita do livro “Os 5 melhores delicius.” da Larousse – omiti alguns temperos q não uso e algumas medidas foram modificadas. Mas o acompanhamento é o mesmo, porque resultou numa combinação muito agradável: ovos poché.

Serve 2 pessoas:
Ingredientes:

40ml de vinagre branco

2 ovos
250 ml de leite
200 g de bacalhau dessalgado
40 g de manteiga sem sal (2 colheres de sopa)
20 ml de azeite de oliva
½  alho-poró pequeno fatiado
200 g de arroz arbóreo ( 2 xíc.)
100 ml de vinho branco (seco)
400 ml de caldo de legumes ou mais ( usei o caseiro)
70 g de ervilha fresca ( cozida com antecedência) ou congelada
sal a gosto
cebolinha picada para guarnecer (é + fácil cortar com tesoura culinária, o efeito tbm é + bonito)

- Para os ovos poché, ferva água numa panela, acrescente o vinagre e qdo ferver, abaixe o fogo.
- Abra os ovos na própria água, com cuidado e cozinhe por 5 minutos, estando a  clara cozida e a gema ainda mole. Retire-os delicadamente e reserve.
-  Coloque o leite e o bacalhau para cozinhar por 5 min. Escorra e reserve o líquido.
- Desfie o bacalhau e reserve.
- Refogue o alho-poró em metade da manteiga e no azeite, até ficar macio, sem deixar dourar e acrescente o arroz. Refogue mais um pouco e acrescente o vinho.
- Qdo o vinho evaporar, abaixe o fogo e vá adicionando o caldo,  pouco por vez, e deixe cozinhar com a panela semitampada, sempre mexendo, até o arroz ficar cozido.
- Então, despeje o líquido reservado do cozimento do bacalhau, a ervilha, acerte o sal. Deixe cozinhar uns 2 min. Acrescente o bacalhau com o resto da manteiga.Mexa mais um pouco e desligue o fogo.
- Reaqueça os ovos poché, se desejar, mergulhando-os numa tigela com água quente por alguns instantes e escorra. Use sempre uma escumadeira para manuseá-los ou uma colher de sopa de mesa.
- Sirva o risoto no prato, colocando o ovo por cima.
- Enfeite com cebolinha picada. Eu prefiro usar a ponta da cebolinha, mais estreita. Corto com a tesoura culinária, fica + fácil e bonito.